Cachoeira Saturnina

.

.

.

.

.

.

.

.

.
Água em queda muito alta
Quase toda se evapora
Não tocando assim o leito.
Era cedo demais, ou tarde demais
para um abraço?

Deixa as palavras calarem na boca
Pois as nuvens que na queda nascem
São livres e chovem onde querem
Longe destas vistas.

Deixa a saudade atrair as gotas
Para as águas novamente se misturarem
Quem sabe o rio, no encontro com o mar,
Sorva de volta para o seu leito as gotas nascidas da cachoeira?

Laura Bernardes – https://informistica.wordpress.com/
%d blogueiros gostam disto: