Astrolábio

De todas as realidades possíveis

E de todas as verdades plausíveis

Escolhe acreditar naquilo que lhe agrada

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

O que importa se há divergências

Entre a tua visão subjetiva e as coisas objetivas?

Medo e dor sempre existirão

Abismos sedutores te chamam a desvendá-los

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Quão delicioso é mergulhar de olhos fechados

Cometa desvairado que acaba por explodir no encontro com outro astro

Agora busca novamente alcançar as alturas

Quem sabe apenas para lançar-se novamente…  insano!?

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Galga as pedras a subir, no maior esforço,

Transpõe os obstáculos que para si mesmo criou

Trôpego pela ventania que lhe possui a alma

Atraído pela força inegável de sua própria natureza.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Brilha, moça!

Ânsia
Fartar-se é pouco

Mergulhar com intensidade máxima
No obscuro, na aventura
Deixar de pensar…

…deixar de pensar!!!
Deixar de falar
Apenas abandonar-se no abismo que se apresenta

Tudo acabará
É apenas questão de tempo
Então acabe-se já,
queime-se tudo na intensidade solar

Clareiem-se todas as ideias!
Deixar de esperar…

Porra de esperar!
Meu signo não é dos que comem pratos frios

Acabe-se tudo numa linda explosão meteórica
Permeie a música através dos corpos humanos e celestes

Sincronize-se cada pedacinho imperfeito dos seres vagantes
Com a trajetória dos cometas apressados

Apenas junte-se à festa imaginária desta dimensão
Apaixone-se mesmo que seja arriscado

Brilhando mais do que jamais!

%d blogueiros gostam disto: